Contrate agora Soluções Vogel

Contrate agora Soluções Vogel

Área do cliente

03. Jan. 2018 Entenda o que é CWDM

TAGS:

Buscar no blog


Entenda o que é CWDM

Grande parte do progresso mundial se deve a recursos de telecomunicação (Telecom) e tecnologia da informação (TI). Para cumprir sua missão, TI e Telecom precisam transmitir informações em longas distâncias, por meio de dispositivos elétricos ou eletrônicos e ondas de rádio ou fibra óptica. Neste contexto, a fibra óptica tem grande relevância para garantir transmissões de dados (texto, áudio e vídeo) de forma ágil, segura e sem perda de integridade. A fibra óptica opera com diversas tecnologias, entre elas: WDM, WDMA, DWDM, WWDM e CWDM.

Identificando as tecnologias de fibra óptica

Para entender melhor o que representam estas siglas de identificação das tecnologias de fibra óptica, precisamos traduzir uma a uma:

  • WDM (Wavelength Division Multiplexing) – Multiplexação por Divisão de Comprimento de Onda;
  • WDMA (Wavelength Division Multiple Access) – Acesso Múltiplo por Divisão de Comprimento de Onda;
  • DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing) – Multiplexação Densa por Divisão de Comprimento de Onda;
  • WWDM (Wide Wavelength Division Multiplexing) – Multiplexação Ampla por Divisão de Comprimento de Onda;
  • CWDM (Coarse Wavelength Division Multiplexing) – Multiplexação Espaçada por Divisão de Comprimento de Onda.

Da WDM, derivam as demais tecnologias, apresentando diferenças na capacidade de transmissão de dados, nas taxas de transmissão suportadas, nas distâncias cobertas, no espaçamento entre canais e nos custos envolvidos para sua instalação e expansão.

Capacidade de transmissão x taxa de transmissão

Capacidade de transmissão (ou largura de banda) é a quantidade máxima de informação que pode fluir em um determinado canal de comunicação. Já a taxa de transmissão é a quantidade de informação processada por unidade de tempo, por exemplo: Gb/s (gigabytes por segundo). Geralmente, a taxa de transmissão é inferior à capacidade de transmissão, para evitar saturação do canal.

Conhecendo a WDM

A tecnologia WDM conjuga em uma única fibra vários sinais de luz, de diferentes comprimentos de onda, sendo cada sinal gerado por um laser em separado. Os sinais são transmitidos simultaneamente, em bandas ou janelas da fibra óptica e podem ter formatos e taxas de bits variados. Sua capacidade de transmissão pode ser expandida adicionando-se mais canais, sem necessidade de troca de equipamento, o que reduz os investimentos necessários.

 

Na WDM, cada canal transmite os sinais de maneira independente, utilizando bandas dedicadas. Com isso, dentro de uma banda‐passante maior, é possível segregar grupos de usuários ou de serviços sem a necessidade de multiplexadores temporais — desta forma, o gerenciamento e a provisão de serviços é otimizada e os custos são reduzidos.

Ela é recomendada para transmissões em distâncias superiores a 50 km e transporta diversos tipos de hierarquias digitais, com alta disponibilidade, alta capacidade de transmissão e segurança. Geralmente, é aplicada a projetos de ensino à distância, telemedicina e ambientes colaborativos, com excelente relação custo-benefício.

Conhecendo a CWDM

A tecnologia CWDM opera com equipamentos compactos de baixa densidade, podendo variar a quantidade de canais entre 4 a 16, dependendo da fibra óptica adotada no projeto — sendo que a fibra óptica tipo LWP é a que lhe confere melhor desempenho. Com amplo espaçamento entre canais, ela usa dispositivos que têm maiores tolerâncias, como lasers não refrigerados, filtros ópticos de banda larga, multiplexadores e demultiplexadores de menor complexidade, que causam significativa redução de custos. Seu alcance cobre distâncias entre 40 e 80 km, de acordo com a taxa de transmissão praticada (1,25 a 2,5 Gb/s). Além disso, seu desempenho pode ser aumentado com a aplicação de amplificadores ópticos lineares.

Devido ao seu baixo custo, é largamente aplicada em redes de fibra óptica metropolitanas, como redes de operadoras de telecomunicações e TV a Cabo, e redes de acesso, podendo ser empregada em conexões ponto a ponto, suportando tráfego Ethernet e interconexão de SANs (Storage Area Networks – Rede de Área de Armazenamento). Nestes sistemas, a economia é mais importante do que a capacidade de transmissão.

A CWDM apresenta vantagens em relação às demais tecnologias da mesma família, tais como: largura de banda elevada, equipamentos mais baratos e custo operacional reduzido, menor consumo de energia, tem um desenho de rede simples, o que facilita sua instalação, configuração e manutenção, e tem alto grau de flexibilidade e segurança. Ela não é recomendada para serviços que precisam de alta capacidade de transmissão.

Entendendo as diferenças entre WWDM e CWDM

A tecnologia WWDM é, muitas vezes, confundida com a CWDM. Entretanto, a WWDM opera com dispositivos passivos que utilizam dois canais. Este mecanismo possibilita a duplicação da transmissão de dois sinais ópticos em uma só fibra ou a quadruplicação de sinais ópticos em um par de fibras. Tem grande versatilidade, suportando fibras multimodo para transmissões de curta distância (até 300 m) e fibras monomodo para transmissões de longas distâncias (até 10 Km).

Recomenda-se o uso da WWDM em redes de acesso – LAN (Local Area Networks – Redes Locais). Antes de optar pelo seu uso, é preciso estar ciente de que ela tem limitações no número de canais que pode ampliar e gera interferências (atenuações) indesejáveis que podem inviabilizar interconexões, porque limitam a distância de um enlace ou o tornam crítico.

Fibras ópticas são ferramentas tecnológicas para carregar sinais digitais na forma de pulsos de luz modulados. São constituídas de filamento flexível e transparente que pode ser fabricado a partir de vidro ou plástico extrudido. Têm alto rendimento na condução de impulsos codificados, apresentam imunidade a interferências elétricas e eletromagnéticas e baixa perda de transmissão.

São o recurso ideal para redes que precisam de maior largura de banda. Operam com diversas tecnologias, sendo que a CWDM é a que apresenta o melhor equilíbrio de custo e benefício para aplicação em redes metropolitanas — como redes de interconexão entre matriz e filiais de uma empresa, que operam em alta velocidade, sem ocorrência de oscilação, proporcionando maior produtividade para os negócios.